Pesquisa

Alexandre Frota divulga carta aberta atacando o presidente e seu filho Eduardo Bolsonaro. Leia na íntegra.

em sábado, 3 de agosto de 2019


O deputado federal Alexandre Frota, emitiu uma carta anunciando sua decisão de se opor à indicação de Eduardo Costa ao cargo de embaixador em Washington DC.

Frota revela, no texto divulgado pela revista Época, o motivo de ser contra o filho de Jair assumir o cargo, pois “se espelha na velha política”. Segundo ele, esse seria um “mimo” do pai ao desejo do filho em “realizar novo intercâmbio no exterior, desta vez em grande estilo”.

Carta aberta:

“Por que sou contra Eduardo Bolsonaro em Washington?

Eduardo Bolsonaro entrou para a história do Brasil ao eleger-se Deputado Federal com 1.843.735 votos, o mais votado de todos os tempos. Embora esse ‘fenômeno’ seja reflexo do que há de mais velho na política, clãs familiares ocupando cargos eletivos e expandindo seus tentáculos na administração pública, o feito é notável.

Antes mesmo da posse de seu pai, no entanto, Eduardo virou as costas para aqueles que o elegeram e voltou suas ambições para o exterior, realizando diversas viagens internacionais e preparando o terreno para uma saída mais duradoura. E, assim que completou 35 anos, que corresponde à idade mínima constitucional para o exercício do cargo de Embaixador, recebeu um mimo do Capitão, ser indicado para assumir a embaixada mais importante do país, em Washington.

Outro exemplo do que há de mais velho na política: pais beneficiarem seus filhos através da coisa pública. E, para piorar, o Presidente ainda declarou publicamente que seu objetivo é sim beneficiar o próprio filho, o que em si já configuraria o chamado ‘desvio de finalidade’.

Ainda que, formalmente, de nepotismo não se trate, mesmo para o exercício de cargos políticos não se abdica da existência de atributos para o exercício do cargo. A confiança absoluta não basta! A diplomacia nesse nível pressupõe notórios conhecimentos de política internacional, amplos relacionamentos e, sobretudo, profundas habilidades de negociação. Eduardo nada tem de diplomático, haja vista ter aventado até mesmo o fechamento do STF por ‘um cabo e um soldado’. Para alçar voos internacionais é preciso, primeiro, respeitar a Constituição Federal e os poderes brasileiros. A destreza em fritar hambúrgueres não o credencia!

Os exemplos de velha política, contudo, não param por aí. Eduardo autoproclamou-se o ‘cacique’ do PSL em São Paulo, contra a democracia partidária prevista no estatuto e contra a recomendação do TSE, para que as comissões provisórias sejam convertidas em diretórios definitivos. Embora, ao proclamar-se Presidente do PSL em São Paulo, tenha recebido uma herança maldita do anterior Presidente Major Olímpio, manteve a falta de transparência nas contas partidárias, que não foram prestadas por número significativo de comissões provisórias municipais.

Um grupo de Deputados Federais do PSL, do qual fiz parte, tentou, democraticamente, participar da Comissão Estadual sem sucesso. Exigimos que fossem feitas eleições democráticas, nos termos do estatuto do PSL, sem sucesso. Exigimos que as contas partidárias não prestadas fossem apresentadas, para quitar o passado e seguir o futuro, sem sucesso. Quem não respeita sequer a democracia dentro do próprio partido não tem atributos para exercer o cargo de Embaixador em Washington.

As relações diplomáticas não se confundem com amizades pessoais. Nisso, mais uma vez, Eduardo Bolsonaro espelha a velha política. As relações do Brasil com outros Estados são pautadas pelo art. 4º da Constituição Federal. Um dos princípios, ali contido no inciso V, é o da “igualdade entre os Estados”. A relação de Eduardo com os EUA é de subordinação e não de independência.

Eduardo Bolsonaro deve honrar os 1.843.735 votos de confiança que recebeu e continuar exercendo as funções de Presidente Estadual do PSL em São Paulo, já que repeliu a participação democrática de seus colegas de Câmara Federal que se dispuseram a isso. A Constituição Federal, sobretudo, deve prevalecer diante do desejo de realizar novo intercâmbio no exterior, desta vez em grande estilo.

Sendo as relações entre Brasil e Estados Unidos, como de fato são, tão importantes, inegável o prejuízo ao país diante do fato de Washington permanecer sem embaixador à espera dos 35 anos de Eduardo. O Brasil está acima de tudo, inclusive dos benefícios familiares e das ambições pessoais.” 

5 comentários:

  1. Frota percebe-se, que esse terreno não é para vice.voce não tem espírito de equipe,tem dificuldade para entender o jogo político, talvez seja melhor você volta para seu mundo mesmo; comer viado e mostra a bunda.

    ResponderExcluir
  2. Isso so mostra que vc é um canalha hipócrita.

    ResponderExcluir
  3. Eu nem perdi tempo lendo a carta desse hipocrita traidor, vendido para esquerda radical sabe por quanto.Nao precisava esse CANALHA agir dessa maneira com Bolsonaro, sem o qual ele jamais seria eleito.

    ResponderExcluir
  4. No texto em que o deputado Alexandre Frota , se opõe ao filho do presidente de ser embaixador , está escrito Eduardo Costa , talvez ele não goste das músicas do cantor rsrs . Esse deputado Alexandre Frota, não era nem pra está no congresso.pra mim é um que não merece o salário que ganha do povo brasileiro.

    ResponderExcluir



Topo